...E SUAS GENTES

.posts recentes

. Montoito

. Bandeira de Montoito

. BANDA FILARMÓNICA UNIÃO M...

. Jardim-de-Infância

. Visita à Freguesia de Mon...

. Grupo Coral Trabalhadores...

. Montoito - Um pouco da su...

. Curso EFA Técnicas de Acç...

.arquivos

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 

.posts recentes

. Montoito

. Bandeira de Montoito

. BANDA FILARMÓNICA UNIÃO M...

. Jardim-de-Infância

. Visita à Freguesia de Mon...

. Grupo Coral Trabalhadores...

. Montoito - Um pouco da su...

. Curso EFA Técnicas de Acç...

.favorito

. Curso EFA Técnicas de Acç...

Quinta-feira, 14 de Maio de 2009

Montoito

Tiver a sorte de conhecer Montoito através dum grupo de formação espectacular.

 

António Costa da Silva


publicado por Montoito às 09:47

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Dezembro de 2008

Bandeira de Montoito

Estandarte da freguesia de Montoito

 

Editado pelo Grupo:

Antónia Cachopas

Carina Saias

Laura Russo

Liliana Caraça

Rosa Cachaço

Rui Murteira

Vera Grazina

 


publicado por Montoito às 17:18

link do post | comentar | favorito
|

BANDA FILARMÓNICA UNIÃO MONTOITENSE

A origem da Filarmónica União Montoitense foi a vinda para a localidade do Sr. Joaquim António Serêto Palôlo, de Reguengos de Monsaraz, nos princípios de 1907.

Quem desejasse ser músico tinha que comprar o seu próprio instrumento e zelar por ele, suportando todas as despesas de manutenção: palhetas, molas, sapatilhas, …etc.

Na união dos vários aprendizes surgiu uma pequena banda, que rapidamente se alargou e começou a ter ensaios em casa cedida para o efeito.”A CASA DA MÚSICA” assim lhe chamavam, situava-se na rua abaixo, actual rua Dr. Sr. António José de Almeida nº29.

Primeira saída á rua foi no 1ºDezembro de 1907, sobre a regência de Joaquim António Palôlo (também ele executante) constituída por 22 elementos.

Tal movimento culminou na criação de uma outra colectividade, a qual ficou conhecido, na altura por sociedade dos pobres.

A existência de duas associações, dividida a vila em 2 grupos e era frequente o surgimento de rixas entre os de uma e outra sociedade. Na altura teriam sido apelidadas: a sociedade da banda, de sociedade dos marrafinhas, e á outra colectividade frequentada pelos mais pobres, de sociedade dos almecêros.

A situação manteve-se assim até 1914, com o regresso de alguns Montoitense que participaram na 1ª guerra mundial tiveram contacto com outras realidades, outras formas de pensamento, outras ideias.

Devido á reduzida população de montoito, os poucos recursos que a vila possuía resolveram juntar as duas colectividades, da sua união podia resultar uma mais-valia para todos os Montoitense.

Uniram-se as duas sociedades, realizavam-se teatros cujas receitas revertiam a favor da sociedade que se transformavam na compra de tudo o que se tornava necessário.

Além de teatros também se concretizava um baile mensal.

A instituição, já organizada, foi instalar-se na praça 9 de Abril (hoje praça 25 de Abril).

A “sociedade nova” como era conhecida na altura, Sr. Inácio franco que sugeriu o novo nome Sociedade União Montoitense.

Consta que alguns músicos que á paixão pela musica juntavam o gosto pela caça, faziam reverter o produto das suas caçadas, em beneficio da construção de um momento em 1925 na praça 9 de Abril, que da pelo nome de Coreto.

Dia 4 de Abril de 1927, a actuação que maior prestígio lhe granjeou até àquela data foi: a recepção do Sr. Presidente da Republica de então, Sr. GENERAL CARMONA, aquando da inauguração do ramal da C.P. entre Évora e Reguengos de Monsaraz.

O Presidente da Republica que nesse dia se deslocou de comboio de Évora até Montoito na viagem inaugural, recebido nesta estação com o hino Nacional, interpretado pela Banda Filarmónica da Sociedade União Montoitense.

Em 1929 no dia 4 de Fevereiro, que os estatutos da Sociedade União Montoitense foram aprovados. É assim em que em 1930 surge um acordo entre sócios a fim de construir um edifício.

Assim ficou concluída em a sede da sociedade união montoitense, que foi inaugurada no 1º de Dezembro de 1936.

Com a revolução dos cravos (25 de Abril de 1974). O enorme interesse dos jovens Montoitense pela aprendizagem da música.

Foi em 1977 que as primeiras mulheres se integraram na banda.

No 1º de Dezembro, por ocasião das comemorações do seu 90º aniversário a filarmónica união montoitense implanta e inaugura um “monumento ao músico”.

Todos os anos pelo 1º de Dezembro se comemora o aniversário da sociedade união montoitense, com a presença da banda filarmónica união montoitense.

Actualmente a banda é composta por 42 elementos, e vários aprendizes que integram a escola de música, que é dirigida pelo maestro Fernando Major.

POPH        QREN        Fundo Social Europeu

 


publicado por Montoito às 16:33

link do post | comentar | favorito
|

Jardim-de-Infância

 

F - Em que ano foi fundado o jardim-de-infância em montoito?

J.I.- O primeiro jardim-de-infância abriu no ano de 1989-1990.

 

F.- Quantas crianças tinham na altura?

J.I.- Na altura havia 24 crianças, com 1 auxiliar e 1 educadora.

 

F- E agora quantas crianças frequentemente o jardim-de-infância?

J.I.- Agora temos 27 crianças, com 2 auxiliares e 2 educadoras. Hoje em dia tem duas salas e melhores condições do que quando começamos.

Quando foi inaugurado não havia cantina, os primeiros 2 anos tinham de ir comer a casa. Presentemente existem instalações novas, com melhores condições. As crianças têm de se deslocar a pé para irem almoçar, cerca de 100m, o pior é em dias de chuva.

 

 

Entrevista feita pelos elementos do grupo a uma das auxiliares do Jardim de Infância de Montoito.

 

 

POPH        QREN        Fundo Social Europeu


publicado por Montoito às 14:38

link do post | comentar | favorito
|

Visita à Freguesia de Montoito e Zonas Limítrofes

No âmbito da disciplina de Cidadania e Profissionalidade foi-nos pedido pelo formador António Costa da Silva realizar um trabalho sobre as Entidades Públicas e Associações das Freguesias das quais as Formandas pertenciam com a finalidade de criar um blogue, o nosso trabalho é sobre a Freguesia de Montoito.

A visita em si foi gratificante para os formandos, pois ficamos a conhecer locais da história de Portugal existentes em Montoito que a maior parte de nós desconhecia. Por outro foi deprimente ver estes locais que em tempos foram muito importantes e frequentados pela realeza, estarem abandonados e em estado degradante

 

No dia 14 de Novembro de 2008 visitámos os vários locais focados no nosso trabalho.

 

Castelo de Valongo

O castelo de Valongo foi constituído no séc. XIV localizado na herdade da Grã.

Desmantelado durante as lutas entre os portugueses e os mouros, uma vez abandonado. D. Afonso Henriques tê-lo-ia doado primitivamente á ordem dos templários, com a obrigação do reconstruir e defender.

Mantêm ainda a torre de Menage em caracol contígua e o que parece ter sido a prisão.

Abobadada num dos cubelos da muralha. Existe uma masmorra circular com um poço de acesso.

 

A Igrejinha de São Vicente de Valongo

A Igrejinha de São Vicente de Valongo foi comendatária da Ordem de Malta que está hoje integrada no Concelho de Évora.

Possuía uma capelita baptismal com frescos datados de 1609.

Hoje é propriedade privada encontrando-se em estado de degradação e habitada por uma vara de porcos.  

 

Barragem da Vigia

Na Barragem da Vigia visitamos o paredão e a estação de tratamento de água, visto que ali se faz o tratamento da água que abastece a nossa Freguesia.

Igreja Do Espírito Santo

A Igreja do Espírito Santo fica situada na praça principal – 09 de Abril – teve um hospício anexo (a Roda dos Enjeitados) dependente da Ordem de Malta que funcionava como Misericórdia.

Possui a capela do Senhor dos Paços em estilo rococó e apresenta uma torre Sineira e a sua frontaria data do séc. XVII, com portal encimado pela Cruz de Malta com data de 1603.

 

O Coreto

O Coreto foi construído em 1925, na Praça 09 de Abril.

È um dos indicadores mais evidentes das dinâmicas em torno da banda de música e da sua colectividade.

Consta que, alguns músicos devido á sua paixão pela música, juntavam o gosto pela caça e faziam com que o produto de suas caçadas revertesse a favor da construção deste monumento.

 

Sociedade União Montoitense

A Sociedade da União de Montoitense é uma colectividade que desenvolve a sua actividade essencialmente na área cultural, nomeadamente através da Banda Filarmónica Montoitense, Grupo Coral de Trabalhadores de Montoito, grupo instrumental, Grupo Cénico Gil Vicente, etc…

Sendo a Banda Filarmónica uma das mais importantes foi fundada a 1 de Dezembro de 1907 pelo Senhor Joaquim António Serêto Palôlo.

 

Igreja de Nossa Senhora da Assunção

A Igreja de Nossa Senhora da Assunção mais conhecida por Igreja Abaixo fica pegada ao cemitério no extremo sul do aglomerado.

Tendo uma construção primitiva ducentista, supõe-se que sofreu grandes modificações durante a primeira metade do séc. XVI. A frontaria é semicircular, com luneta e portal encimado pelo Brasão do eborense D. Luís Mendes de Vasconcelos.

Com o terramoto de 1755, ficou muito danificada vindo posteriormente a ser reforçada, supostamente foram perdidos os sinos primitivos.

Aqui se relata uma tarde bem passada.

 

 


publicado por Montoito às 14:35

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Grupo Coral Trabalhadores de Montoito

 

O grupo coral dos trabalhadores de montoito foi fundado em 1975 com um traje tradicional do Alentejo: calça azul, colete azul, camisa branca, chapéu preto e lenço rameado.
Com uma média de 20 a 25 actuações por ano de norte a sul do país, com especial incidência no Alentejo e em Lisboa, onde se realizam vários encontros de grupos corais.
Participam em todos os desfiles realizadas no âmbito do congresso do Alentejo.
Neste momento existem 4 CDS, e 1 k7 a solo, tendo lançado 1 CD em conjunto com a banda filarmónica união Montoitense.
O repertório mais utilizado é: montoito é nossa terra; barragem da vigia; Alentejo doirado; montoito dos meus amores; se fores a montoito vai ver a barragem; rosa que estas em botão; entre outras…
Tendo com mestre o Sr. João Lavado.
Realizam os ensaios as quintas-feiras á noite na sociedade união Montoitense. Realizam o encontro anual de grupos corais em Agosto/Setembro.
 
Canção do grupo coral trabalhadores de montoito
Barragem da vigia:
 
Se fores a montoito
Vai ver a barragem
Não há como ela
Que coisa mais bela
A sua paisagem
 
Quando chega o verão
Já ninguém sossega
O pivô trabalha
A água espalha
Nos campos de rega
 
E quando o sol nasce
É tão lindo ver
Girassóis abertos
Os campos cobertos
O milho a crescer
 
Olha o passarinho
Canta de alegria
P`lo ramo pairado
Num canto entoado
Vigia ,Vigia
 
Outros versos do grupo coral trabalhadores de montoito:
 
Com que letra se escreve Maria
Com que letra se escreve coração
Com que letra se escreve lealdade
Com que letra se escreve gratidão
 
Maria se escreve com um M
Coração, coração com um C
Lealdade, lealdade com um L
Gratidão, gratidão com um G

POPH        QREN        Fundo Social Europeu

 


publicado por Montoito às 14:28

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Montoito - Um pouco da sua História

 

Quem percorrer o Alentejo encontra a vila de Montoito no triângulo formado pela cidade de Évora e pelas vilas de Redondo e Reguengos de Monsaraz (hoje cidade), 18 km a Sul da primeira e 12 km a Ocidente desta última, numa planura cortada por um afluente da ribeira do Dejebe que desagua, por sua vez, no Guadiana.
cizut_menor_ordem_malta.jpg
É zona de terras de semeadura, montados de sobro e azinho, olivais, vinhedos demarcados, de gados e de caça e actualmente algum regadio implementado pelo perímetro de rega da barragem da Vigia.
Do seu nome nada se sabe. Mas se atendermos á constituição da palavra ( Monte-outo, que deu Montouto e depois Montoito), julgamos plausível aventar a hipótese de esta denominação advir de oito Montes alentejanos, cujo trabalho e incremento agrícola deram origem ao agregado populacional que é agora o povoado.
Ou mesmo, derivar antes do significado da palavra outo que quer dizer palheiro, possivelmente por ter sido uma região muito forrageira (ter muita palha para gado).
Período houve em que foi indistintamente chamada ou por Montoito ou por Vale Longo (Valongo).
MontOITO é realmente uma curiosa palavra composta também por oito letras, algarismo que simboliza a “regeneração” – forma central entre o quadrado (ordem terrestre) e o círculo (ordem da eternidade) – o eterno movimento da espiral dos céus, sinal do infinito e que na mística cosmogónica medieva, foi número emblemático que representava as “águas baptismais”. É, efectivamente, uma povoação muito antiga que se perde nos primórdios da nacionalidade. Couto de colonização rural, antiga comenda (terrenos que antigamente eram dados por benefícios de serviços prestados, em geral a Ordens religiosas ou militares) da Ordem de Avis e depois da Ordem de Malta (ordem militar com o nome primitivo de Cavaleiros Hospitalários de S.João de Jerusalém, depois de Rodes e por fim de Malta), Montoito, como era conhecida, era pertença de Pedro Anes – Reposteiro (pessoa que tinha á sua guarda todo o mobiliário da Casa Real) de EL-REI D.Afonso III e de sua mulher Sancha Anes.
Foi este monarca que lhe concedeu carta de foro, em 3 de Janeiro de 1270. Após a sua morte, herdaram os bens em Montoito suas três filhas: Clara Peres que casou com Gil Anes, Maria Peres que casou com João Domingues e Sancha Peres que casou com Paio Miguel.
Em 1286, foi concluída a venda de tudo o que tinham neste termo a D.Leonor Afonso-filha bastarda de EL-REI D.Afonso III e de D.Elvira Esteves-por “3.000 libras da moeda antiga”.
Casada em primeiras núpcias com D. Estevão Anes e em segundas núpcias com o Alferes-Mor de EL-REI seu pai, D. Gonçalo Garcia de Sousa, rico-homem, feito Conde aquando deste casamento – o único conde deste reinado – Viveu D. Leonor em Montoito, no castelo real de Valongo que se ergue no seu termo, construído, segundo uns, para defesa da vila e segundo outros, para defesa do feudo em que estava encravado.
A terceira parte de Montoito adquiriu-a a Ordem de Malta por troca com o 3º Conde de Barcelos. D. Pedro Afonso, filho bastardo de D. Dinis e a sua mulher D. Branca Peres, com a Vila do Eixo, e que veio mais tarde a ser confirmada. Montoito ficou, portanto, pertença total da Ordem, a partir de 1362.
Montoito e arredores possuem 3 igrejas, uma das quais em quase completa ruína – a de S. Vicente de Valongo – que foi comendatária da Ordem de Malta e está hoje integrada no concelho de Évora, mas que conserva ainda a capelita baptismal com frescos datados de 1609; A igreja Matriz de N. Senhora da Assunção, ou como tem sido sempre conhecida, “Igreja Abaixo”, situada no extremo Sul do aglomerado, pegada ao cemitério e a igreja do Espírito Santo que está no centro do povoado, desconhecendo-se igualmente a altura em que foi erigida. Situada na praça principal – 9 de Abril – teve um hospício anexo com “a roda dos enjeitados”, dependente da Ordem de Malta que funcionava como Misericórdia, e que está perpetuado no nome da travessa onde existiu: Travessa do Hospital.
Da Invocação do Espírito Santo, a sua fronteira data do século XVII, com portal encimado pela cruz de Malta com data de 1603. Possui capela do Senhor Jesus dos Passos em estilo de rococó. Apresenta interessante torre sineira, que já não é primitiva, com relógio de 1969, cujo alçado lateral se continua com as dependências da antiga irmandade e onde hoje se encontra a sede da Junta de Freguesia. Algumas das suas paredes interiores ainda escondem, sob a cal branca, frescos representativos de obras misericordiosas. 
Montoito apesar de não ser uma vila muito grande possui várias Entidades Públicas e Associações locais envolvidas no processo de participação na sociedade.

Bibliografia: Montoito - Memória das Suas Antiguidades

 

Trabalho de Grupo em Cidadania e Profissionalidade no Curso EFA Secundário B3 - Técnicas de Acção educativa - Aliende, ADL.

 

Antónia Cachopas

Carina Saias

Laura Russo

Liliana Caraça

Rosa Cachaço

Rui Murteira

Vera Grazina

 

 

POPH        QREN        Fundo Social Europeu

 


publicado por Montoito às 16:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Curso EFA Técnicas de Acção Educativa em Montoito promovido pela ALIENDE

A Aliende - Associação para o Desenvolvimento Local publicou em edital a abertura de uma acção de formação em Técnicas de Acção Educativa com equivalência ao 12º ano para decorrer em Montoito. Esta acção está a ser realizada no âmbito dos Cursos EFA B3, apoiada pelo POPH – Programa Operacional do Potencial Humano.

 

 
 
O número de inscrições foi muito elevado, foram entrevistados todos os candidatos por três técnicos escolhidos pela Aliende e por fim, foram seleccionados 14 formandos.
 
O curso teve início no dia 10 de Outubro de 2008 e tem a duração total de 15 meses (2020 horas). É constituído por vários módulos, tais como: CP - Cidadania e Profissionalidade, onde são tratados os conceitos de democracia, igualdade, liberdade, identidade, solidariedade e participação, entre outros; CLC – Cultura Língua e Comunicação, aprendizagem da noção de cultura, diferentes formas de cultura, aplicação da língua e da comunicação na sociedade, etc; STC – Sociedade Tecnológica e Ciência, as tecnologias da ciência incorporados na sociedade; MPD – Modelos Psicológicos e fase do Desenvolvimento da Criança. Na formação tecnológica vamos conhecer as várias fases do desenvolvimento da criança, os seus componentes (desenvolvimento motor, emocional, cognitivo, linguístico e social), basicamente tudo o que tem a ver com a criança dos 0 aos 6 anos.
Durante a nossa formação teremos ainda um módulo central que dá pelo nome de PRA - Portefólio Reflexivo de Aprendizagem que será construído durante todo o curso, individualmente, com a ajuda dos vários formadores que nos acompanharão e será constituído por uma breve história de vida, onde incluiremos ainda alguns dos melhores trabalhos realizados ao longo da formação.
Ao longo da formação iremos, também, ter a junção de vários módulos que de alguma forma irão complementar o curso, temos ainda um estágio prático que está previsto iniciar-se em Novembro de 2009 em instituições ainda por definir, onde poremos em prática todos os conhecimentos adquiridos até lá.
O objectivo é ficarmos com uma formação para trabalharmos em creches, jardins-de-infância e outras entidades da mesma área, e ainda, obtermos o certificado do 12º ano de escolaridade.
As motivações que nos levaram a entrar para a formação foram várias. Para além da componente técnico-profissional e da obtenção do 12º ano de escolaridade, também existe uma bolsa mensal que nos ajuda financeiramente.
Toda esta informação não estaria completa sem um breve agradecimento à Alinde por mais esta iniciativa e pela oportunidade que nos está a dar para mostramos o quanto valemos a nível individual e em grupo.
Esperamos que nestes 15 meses consigamos terminar a formação com desempenho positivo e alcançar os nossos objectivos.
 
Os Formandos do Curso EFA Técnicas de Acção Educativa
Montoito, 07 de Novembro de 2008

 

POPH        QREN        Fundo Social Europeu


publicado por Montoito às 12:19

link do post | comentar | favorito
|

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds