...E SUAS GENTES

.posts recentes

. Montoito

. Bandeira de Montoito

. BANDA FILARMÓNICA UNIÃO M...

. Jardim-de-Infância

. Visita à Freguesia de Mon...

. Grupo Coral Trabalhadores...

. Montoito - Um pouco da su...

. Curso EFA Técnicas de Acç...

.arquivos

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 

.posts recentes

. Montoito

. Bandeira de Montoito

. BANDA FILARMÓNICA UNIÃO M...

. Jardim-de-Infância

. Visita à Freguesia de Mon...

. Grupo Coral Trabalhadores...

. Montoito - Um pouco da su...

. Curso EFA Técnicas de Acç...

.favorito

. Curso EFA Técnicas de Acç...

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Montoito - Um pouco da sua História

 

Quem percorrer o Alentejo encontra a vila de Montoito no triângulo formado pela cidade de Évora e pelas vilas de Redondo e Reguengos de Monsaraz (hoje cidade), 18 km a Sul da primeira e 12 km a Ocidente desta última, numa planura cortada por um afluente da ribeira do Dejebe que desagua, por sua vez, no Guadiana.
cizut_menor_ordem_malta.jpg
É zona de terras de semeadura, montados de sobro e azinho, olivais, vinhedos demarcados, de gados e de caça e actualmente algum regadio implementado pelo perímetro de rega da barragem da Vigia.
Do seu nome nada se sabe. Mas se atendermos á constituição da palavra ( Monte-outo, que deu Montouto e depois Montoito), julgamos plausível aventar a hipótese de esta denominação advir de oito Montes alentejanos, cujo trabalho e incremento agrícola deram origem ao agregado populacional que é agora o povoado.
Ou mesmo, derivar antes do significado da palavra outo que quer dizer palheiro, possivelmente por ter sido uma região muito forrageira (ter muita palha para gado).
Período houve em que foi indistintamente chamada ou por Montoito ou por Vale Longo (Valongo).
MontOITO é realmente uma curiosa palavra composta também por oito letras, algarismo que simboliza a “regeneração” – forma central entre o quadrado (ordem terrestre) e o círculo (ordem da eternidade) – o eterno movimento da espiral dos céus, sinal do infinito e que na mística cosmogónica medieva, foi número emblemático que representava as “águas baptismais”. É, efectivamente, uma povoação muito antiga que se perde nos primórdios da nacionalidade. Couto de colonização rural, antiga comenda (terrenos que antigamente eram dados por benefícios de serviços prestados, em geral a Ordens religiosas ou militares) da Ordem de Avis e depois da Ordem de Malta (ordem militar com o nome primitivo de Cavaleiros Hospitalários de S.João de Jerusalém, depois de Rodes e por fim de Malta), Montoito, como era conhecida, era pertença de Pedro Anes – Reposteiro (pessoa que tinha á sua guarda todo o mobiliário da Casa Real) de EL-REI D.Afonso III e de sua mulher Sancha Anes.
Foi este monarca que lhe concedeu carta de foro, em 3 de Janeiro de 1270. Após a sua morte, herdaram os bens em Montoito suas três filhas: Clara Peres que casou com Gil Anes, Maria Peres que casou com João Domingues e Sancha Peres que casou com Paio Miguel.
Em 1286, foi concluída a venda de tudo o que tinham neste termo a D.Leonor Afonso-filha bastarda de EL-REI D.Afonso III e de D.Elvira Esteves-por “3.000 libras da moeda antiga”.
Casada em primeiras núpcias com D. Estevão Anes e em segundas núpcias com o Alferes-Mor de EL-REI seu pai, D. Gonçalo Garcia de Sousa, rico-homem, feito Conde aquando deste casamento – o único conde deste reinado – Viveu D. Leonor em Montoito, no castelo real de Valongo que se ergue no seu termo, construído, segundo uns, para defesa da vila e segundo outros, para defesa do feudo em que estava encravado.
A terceira parte de Montoito adquiriu-a a Ordem de Malta por troca com o 3º Conde de Barcelos. D. Pedro Afonso, filho bastardo de D. Dinis e a sua mulher D. Branca Peres, com a Vila do Eixo, e que veio mais tarde a ser confirmada. Montoito ficou, portanto, pertença total da Ordem, a partir de 1362.
Montoito e arredores possuem 3 igrejas, uma das quais em quase completa ruína – a de S. Vicente de Valongo – que foi comendatária da Ordem de Malta e está hoje integrada no concelho de Évora, mas que conserva ainda a capelita baptismal com frescos datados de 1609; A igreja Matriz de N. Senhora da Assunção, ou como tem sido sempre conhecida, “Igreja Abaixo”, situada no extremo Sul do aglomerado, pegada ao cemitério e a igreja do Espírito Santo que está no centro do povoado, desconhecendo-se igualmente a altura em que foi erigida. Situada na praça principal – 9 de Abril – teve um hospício anexo com “a roda dos enjeitados”, dependente da Ordem de Malta que funcionava como Misericórdia, e que está perpetuado no nome da travessa onde existiu: Travessa do Hospital.
Da Invocação do Espírito Santo, a sua fronteira data do século XVII, com portal encimado pela cruz de Malta com data de 1603. Possui capela do Senhor Jesus dos Passos em estilo de rococó. Apresenta interessante torre sineira, que já não é primitiva, com relógio de 1969, cujo alçado lateral se continua com as dependências da antiga irmandade e onde hoje se encontra a sede da Junta de Freguesia. Algumas das suas paredes interiores ainda escondem, sob a cal branca, frescos representativos de obras misericordiosas. 
Montoito apesar de não ser uma vila muito grande possui várias Entidades Públicas e Associações locais envolvidas no processo de participação na sociedade.

Bibliografia: Montoito - Memória das Suas Antiguidades

 

Trabalho de Grupo em Cidadania e Profissionalidade no Curso EFA Secundário B3 - Técnicas de Acção educativa - Aliende, ADL.

 

Antónia Cachopas

Carina Saias

Laura Russo

Liliana Caraça

Rosa Cachaço

Rui Murteira

Vera Grazina

 

 

POPH        QREN        Fundo Social Europeu

 


publicado por Montoito às 16:39

link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Daniel Cachopas a 4 de Dezembro de 2008 às 16:56
Boa tarde!

Quero dar os parabéns à iniciativa da ALIENDE por este curso, que certamente irá criar mais conhecimento nos formandos. Aproveito para pedir-vos que se dirijam mais às pessoas da freguesia, que apoiem os pequenos projectos, mesmo que apenas com a ajuda técnica. A divulgação que foi feita na Junta deveria ser repetida na Sociedade, onde as pessoas vão mais facilmente (por exemplo). Peço ainda que desenvolvam o empreendedorismo para além do curso, para que os formandos não se fiquem pelo diploma, o que poderá não servir de muito no mundo competitivo do emprego. Assim, com estas me despeço e gostava de um dia ver um trabalho que nunca vi ninguém investigar... Qual a História das Aldeias de Montoito? Fala-se sempre na história de Montoito, vila antiga. E as Aldeias de Montoito? Como nasceu? Porque não se juntou a Montoito aquele povo? Porque ficou com o mesmo nome? Que idade têm as primeiras referências? Um dia hei-de investigar isso, mas como agora estou escasso de tempo... ;-)

Parabéns pelo vosso trabalho!

Os melhores cumprimentos

Daniel Cachopas


De Mané a 25 de Maio de 2010 às 12:50
IoI

A unica coisa que sei da historia das Aldeias de Montoito é..

Que existia uma certa rivalidade entre os habitantes de Montoito e das Aldeias e assim...ás vezes encontravam-se num campo qq e atiravam bicos de xarrua uns aos outros e....qdo não espetásse não vaalia IoI.


Comentar post

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds